RENOVANDO FORÇAS

A convivência familiar nos leva a uma falsa garantia do conhecimento mútuo, a ponto de acharmos que sabemos antecipadamente as respostas à determinadas situações: “eu sei como meu irmão é”, “já sei o que ele vai dizer”, “conheço muito bem meus pais, eles jamais vão concordar”, “eu me conheço, não vou conseguir”, “eu nasci assim, vou morrer assim”.

Por outro lado, também nos surpreendemos quando constatamos que: “nunca imaginei que você poderia fazer isso comigo”, “meu primo sempre tão pão duro, me surpreendi com esta doação”, “você não me conhece”, “nunca vi você tão nervoso, sempre foi o mais calmo de todos”, “que surpresa! Você no coral!”, “nunca pensei que poderia cantar assim!”

Frases como estas, nos traz apenas uma certeza. Não somos tão óbvios assim, nossa percepção não traduz a verdade, estamos sempre sujeitos a enganos e a fazer pré-julgamentos.>

Somos individualmente um universo mutante e eterno e surpreendente a ser desvendado. Não podemos nos restringir às informações pré concebidas, limitando nossa capacidade de transformação e autoconhecimento.

Quando nos deparamos com uma situação inesperada, somos arremessados a um lugar desconhecido, onde certamente não estaremos tão seguros das atitudes a tomar, e não tão certos dos recursos que dispomos para superar a nova situação. Neste confronto, um ingrediente diferente daquele que nos é conhecido, chega a nossa vida para modificar aquele formato que já desenhamos. Somos impulsionados para uma tomada de posição, fortes ou não, seguros ou não, temos que seguir.

O diagnóstico de E.M. na realidade não atinge somente uma pessoa da família, repercute em cada um de seus membros. Considerando as características pessoais, cada elemento reagirá de acordo com sua estrutura emocional, recorrerá ao arsenal de recursos que possui, por isso terá uma reação diferenciada dos outros. Toda a dinâmica se transforma e os comportamentos surgem confirmando ou não aqueles velhos chavões.

Acredito que neste impacto, vida abre possibilidades de descobrir novas reações, atitudes e principalmente uma nova visão para a vida para um crescimento pessoal, através do contato direto entre corações que compartilham seu amor e sua dor.

Tania Amaral

Psicóloga